Encontro.



(Ler ouvindo Caetano Veloso - Você não me ensinou a te esquecer)



Foi numa manhã de sábado. Eu de pijama, você vestindo a esperança nos olhos. A única coisa que eu queria era que aquilo acabasse logo. Eu menti, ok, menti sim, menti mesmo. Eu não estava afim, era brincadeira, não me olha assim - eu pedi sem te olhar. Quando olhei, vi o mundo nos seus olhos. O mundo que eu queria, o mundo que eu fingia que não me importava, quando te deixava sozinho e voltava pra minha vida, sem me preocupar se você ficava bem. Você procurava nos meus olhos, a menina que tinha te dado tudo, que tinha te ensinado o beabá. A menina que te transformou em homem, e agora se recusava assumir o lugar ao seu lado. Eu procurava uma saída. Uma fuga. Um jeito de não te matar, mas de não morrer. A cruz, a espada. O peso de todo aquele tempo arrastado, do sentimento, a vontade de ficar perto e fugir ao mesmo tempo. Eu não posso ficar, menino. Eu menti, eu te enganei. Eu soluçava. Aquela menina não existe, não tem magia, a princesa na verdade era a bruxa. Foi tudo mentirinha. O salgado das lágrimas, na boca. Tenta entender, eu não devia ter te deixado vir aqui. Vai embora, volta pro que é teu. Você é minha – e uma lágrima brotou no teu olho. Não faz isso comigo, eu esqueço tudo, a gente esquece, começa hoje. Vai ser novo, vai ser bom, eu quero saber quem é você. Eu não posso amar alguém que eu não conheço, então eu preciso conhecer, porque eu te amo. Naquela hora, as lágrimas tomaram meus olhos e eu não te enxerguei chegando mais perto, quando eu vi, os braços de salva-vidas já estavam em volta de mim e eu não podia fugir. Eu desabei. Fechei os olhos e lembrei de tudo. Quando ligava trêmula de madrugada. O que aconteceu? Nada, só conversa comigo, faz uma piada, me conta alguma coisa? E você ria. E contava. Piadas péssimas. E me fazia rir com o jeito que se desculpava pelas piadas péssimas.Você tentando me conquistar, oferecendo rios e oceanos. Os sonhos que você dizia que tinha, com nós dois casados só pra poder tocar no assunto. Ali eu vi que não podia fugir. A teia era pra você, mas quem se prendeu fui eu. Quem se perdeu fui eu. Uma última tentativa, eu vou embora, eu não posso ficar, um empurrão, a menina sem sentimento. Te olhei nos olhos e de novo, você venceu. Você ganhou. Você me tem. Você vê isso? Quanto mais fuga, mais prisão. Você me beijou e me puxou pro seu colo. Vem cá, menininha teimosa, para de tentar escapar, seu lugar é aqui, comigo. Seu lugar sou eu. Ali você jurou que era pra sempre, eu concordei. Não foi. Na prática, a teoria sumiu. Você fraco demais, eu dona demais. Mas foi bom. Foi a sensação de impotência diante de alguém tão simples, que me fascinou. Você continua simples, eu continuo fascinada. Mas não deu. Era muito fogo e pouca lenha.
Não era encontro, era desencontro. Era o fim disfarçado de começo.


Comentários

  1. Lí o post como o indicado , ouvindo Caetano Veloso e achei queo post ficou mais lindo e inspirador . seguindo seu blog , passa no meu se curtir ela me segue .
    http://marynunesabreu.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Se apaixonar é dificil no inicio. Acho que todo mundo tenta evitar não se prender por puro medo, medo de sofrer uma outra vez. Mas quando o amor chega e bate na porta, não tem como fugir e para todos os lados que você for, ele vai está lá te esperando de braços abertos. E quando nos deixamos levar pelo sentimento, tudo parece melhor e mais doce de uma forma que ninguem consegue decifrar.

    Amei o texto!
    Beijos,
    Monique <3

    ResponderExcluir
  3. Muito bom ! Estou seguindo !
    Segue tbm http://catiarosaantenada.blogspot.com/
    bjokinhas

    ResponderExcluir
  4. foi muito bem escrito esse texto, muito bom

    http://rocknrollpost.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo e bem escrito mais Caetano , melhor ainda ...seguindo , segue o meu também
    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Como sei bem o que significam todas as vírgulas, os pontos, a entrega, os nós e o oceano quando não nos entregamos por medo de sofrer. Mas se tem uma coisa que é inevitável, é o amor. Porquê ele brota, ele nasce, ele resiste ao tempo, ele é mais forte do que o nosso ego mais profundo, mesmo quando sabemos que o final é o derradeiro desencontro ou fim disfarçado de começo. Com Sol, chuva, vento frio, bafo quente ou irradiações eletro magnéticas. Amor renasce e para isso ha até nome: o re-amor. Porém o que importa mesmo, é que ele sempre vestido de esperança e nos encontra de pijamas mas subitamente acontece.
    Lindo texto Tha!
    Bjos
    Marcos

    ResponderExcluir
  7. cada vez que leio seus texto mais eu me vejo, muito belo seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Belo texto, escrito de maneira simples e direta realmente ótimo.... ;D

    ResponderExcluir
  9. histórias de pessoas inspiram vc a escrever textos como esse? ou não influencia? esse texto em especial foi inspirado em alguém? Beijão

    ResponderExcluir
  10. O inicio do texto parece com a minha história akuaskaus

    ResponderExcluir
  11. Sim, muitos são escritos com experiências alheias, histórias de amigos, de fãs as vezes. Outras são minhas... Essa é extremamente minha. Um antigo relacionamento..

    ResponderExcluir

Postar um comentário